Moda ecológica, moda sustentável, slow fashion… os números de pesquisa por esses termos no Google aumentam cada vez, uma prova de que os hábitos de consumo do brasileiro estão mudando. Porém, ainda há um longo caminho pela frente, então vamos fazer nossa parte: falar, compartilhar e divulgar cada vez mais marcas de roupas sustentáveis que valem a pena conhecer!

Um porém, a sustentabilidade e o slow living são conceitos que pregam o consumo mais racional. Então, se você está querendo entrar nessa onda agora, não gaste milhões em novas peças de roupas, existem algumas mudanças simples que podem ter ajudar a ter uma guarda roupa mais sustentável.

Você sabia existem muitas maneiras de uma marca ser considerada sustentável? Às vezes, aquela loja que você amou saber que é sustentável tem um compromisso com o reaproveitamento de materiais, não com o veganismo, como você poderia curtir mais (um exemplo, tá, gente?).

Por isso, pra fazer este post, pesquisei marcas que se consideram sustentáveis e especifiquei bem quais seus compromissos na luta por uma moda mais responsável.

Então vista seu lado fashion victim (que não resiste a uma tendência) e dê um banho de consciência nele!

Update: pedimos a contribuição da galera nos comentários e decidimos incluir as marcas sugeridas aqui no post! Algumas pessoas também reclamaram do preço das roupas sustentáveis, então decidimos acrescentar informações pra ajudar todo mundo a entender melhor. Bora lá?

Roupas sustentáveis são caras?

Pensei bastante e a melhor maneira de começar a responder essa pergunta é com um post do Victor Apolinário, estilista da marca Cemfreio:

“Vamos fazer um exercício simples?

1 camiseta custando R$ 79,00, com uma margem de 2*, tem um gasto de R$ 39,00. 
Desses R$ 39, 20% é revertido pra mão de obra (usando a média praticada pelo mercado), logo cada costureira recebe por peça R$ 7,80.
Para essa mesma costureira ter um sálario de R$ 1000, ela precisa costurar 130 peças em média, sendo 5 peças dia.

Estou colocando números superficiais e bem amigáveis, então quando vc perguntar o pq do valor da minha roupa, faz esse calculo é simples e ajuda a entender melhor os processos e a história da sua roupinha 

Amo vocês”

Olha, é fácil dizer que uma peça sustentável é “cara” se você comparar com os preços dessas grandes lojas, que revendem produtos fabricados a toneladas todos os dias. Mas a primeira coisa a se considerar é: roupas sustentáveis são melhores. No sentido de qualidade de material mesmo.

Ok, você pode comprar uma “brusinha” de R$ 30 numa loja de departamento, mas quanto tempo ela vai durar? Em quanto tempo você terá que gastar mais R$ 30 em outra “brusinha”? E o mais importante: com qual mão de obra essa roupa foi feita para custar tão pouco? Pessoas em situação precária e salários que mal alimentam a família? Crianças? Trabalho escravo?

Reflita se não vale a pena comprar menos, gastar mais, mas usar (por muito mais tempo) uma peça de qualidade produzida de maneira mais humana. 😉

Marcas de roupas sustentáveis que valem a pena conhecer

Boutique São Paulo

Vamos começar falando de reaproveitamento. A Boutique São Paulo reinventou o conceito de brechó, não só revendendo peças previamente descartadas, mas dando nova vida a elas. Os produtos de segunda mão são garimpados, revitalizados, higienizados e enviados com muito carinho.

Essas peças não necessariamente são eco-friendly, veganas, ou qualquer coisa do tipo. Então, por que são consideradas sustentáveis? Apenas porque, ao invés de irem parar no lixo após o descarte, vão para o guarda-roupa de alguém que poderá deixar de comprar uma peça recém-fabricada, freando a carreta desgovernada que a grande indústria da moda se tornou.

Feminist | Arara > Bordados ☄️

A post shared by boutique são paulo (@boutiquesaopaulo) on

Parece um passo pequeno, mas sem dúvida é um passo na direção certa. Olha só o que eles dizem: “Para produzir 1kg de algodão, aproximadamente 25.000 litros de água são gastos. O processo de criação de um jeans, por exemplo, afeta o ambiente de maneira muito significativa, inclusive aumentando a concentração de dióxido de carbono na atmosfera. Prolongar a vida útil de uma peça é colaborar com a preservação de recursos que já foram extraídos da natureza.” Confira mais informações clicando aqui.

Isso torna justa a inclusão da Boutique São Paulo na lista de marcas de roupas sustentáveis para conhecer em São Paulo.

Honey Pie

A pegada da Honey Pie, marca de roupas femininas, é o slow fashion. Mas o que é isso? Basicamente, uma alternativa à produção em massa, que costuma ser pouco transparente (facilitando demais a exploração de mão de obra e matéria-prima). Afinal, como você vai saber se aquela brusinha linda distribuída por grandes marcas não foi feita com mão de obra infantil, escrava ou as duas coisas?

Na dúvida, procure por marcas como a Honey Pie. As peças são feitas com matéria-prima brasileira, para fortalecer o mercado nacional, além de concentrar todo o processo de produção das roupas dentro do ateliê, para acompanhar de perto as condições de trabalho.

O “feito à mão” é muito mais do que o sentido literal da expressão. Tecnicamente todas as roupas são feitas à mão, por pessoas reais e não por máquinas. Hoje em dia com o fast fashion cada vez mais forte estamos perdendo essa sensibilidade de pensar no outro, de pensar em quem está por trás das roupas que usamos. O “feito à mão” é um conceito. O “feito à mão” envolve toda a cadeia produtiva, ele nos faz pensar na matéria prima, no design, na modelagem, na costura, no acabamento. Ele nos faz trabalhar de maneira artesanal, peça por peça, pensando nos mínimos detalhes com muito cuidado e carinho. E não acaba na hora da cliente comprar a peça na loja, esse cuidado se estende na casa do consumidor, na lavagem e manutenção da peça. Esse conceito é razão por nós amarmos o que fazemos e o motivo pelo qual o fazemos tão bem! O fast fashion está forte mas o slow está vindo com tudo! Entre os dias 24 e 30 de abril de 2017 será celebrada a Fashion Revolution Week em mais de 90 países. No Brasil, teremos eventos em diversos estados e ações realizadas pelos estudantes de moda. O Fashion Revolution Day é um movimento criado por um conselho global de líderes da indústria da moda sustentável que se uniram depois do desabamento do edifício Rana Plaza em Bangladesh no dia 24 de abril de 2013 que deixou 1.133 mortos e 2.500 feridos. A campanha surgiu com o objetivo de aumentar a conscientização sobre o verdadeiro custo da moda e seu impacto em todas as fases do processo de produção e consumo, mostrando ao mundo que a mudança é possível através da celebração dos envolvidos na criação de um futuro mais sustentável e criar conexões exigindo transparência. #consumoconsciente #fashionrev #fashionrevbrasil #fashionrevolutionbrasil #imadeyourclothes #modaconsciente #slowfashion #whomademyclothes

A post shared by Honey Pie (@maisonhoneypie) on

Ada

Na Ada, também não existem coleções, apenas tiragens pequenas de roupas feitas com fibras naturais 100% feitas no Brasil. Além do slow fashion, a marca tem raízes veganas, então, se preocupa que sua matéria-prima respeite os Direitos dos Animais.

O nome da marca é inspirado em Ada Augusta Byron King, criadora do primeiro algoritmo para ser processado em uma máquina. Legal, né?

As peças têm design minimalista lindíssimo, o que as tornam atemporais (você não vai precisar jogar fora e comprar mais roupas, como acontece com peças “fora de moda”).

Veja onde comprar clicando aqui.

[bctt tweet=”Marcas de roupas sustentáveis que valem a pena conhecer” username=”plataoplomobr”]

Nicole Bustamante – Vegan Goods

Falando em veganismo, se essa é seu ideal, você vai amar a marca Nicole Bustamante. As peças são feitas à mão com matéria-prima vegan friendly, se posicionando totalmente contra à moda descartável/fast fashion. Tanto que eles oferecem roupas de modelagem sem gênero, ou seja, você só precisa ser humano pra usar (mas, se quiser vestir no seu cachorro, acho que também não há restrições.)

A loja também tem dois endereços, ambos na Rua Augusta (além da loja on-line). Dá uma olhada clicando aqui. http://nicolebustamante.iluria.com/sobre-nos-pg-26c25

King55

A King produz manualmente peças masculinas e femininas, focadas na moda streetwear, com matéria-prima sustentável e ecológica. Eles fizeram um vídeo bem legal pra mostrar como as roupas são feitas:

KING55 – Produtos Customizados from King CinquentaeCinco on Vimeo.

A loja vende roupas, acessórios, calçados, tudo que há de bom e descolado. Siga o Instagram deles para conferir tudo que há por lá:

Além de vender on-line, a King55 tem uma loja em Pinheiros e uma na Vila Madalena. Clique aqui para ver os endereços e decidir qual vai visitar!

Cofi Wear

Na onda da moda unissex, a Cofi foi o maior achado de todos os achados que achei nos últimos tempos (ta-dã). Só de olhar a foto, você já percebe DE CARA quanto essas calças 100% algodão são confortáveis, bonitas, práticas e modernas:

Tá, mas o negócio aqui é sustentabilidade, onde isso entra na Cofi? Já dei a dica: 100% algodão. Eles não usam nenhuma matéria-prima de origem animal, tanto que até os zíperes foram trocados por elásticos de algodão (o que é ótimo, porque serve perfeita e confortavelmente em qualquer um).

Pra complementar a produção vegana, ela tem uma pegada artesanal, feita por uma equipe de costureiras com uma remuneração que a Cofi tem orgulho em chamar de justa. Bacana, né? Dá uma olhada aqui no site para saber mais.

Eles vendem on-line, entre lá no site e se divirta escolhendo sua calça Cofi!

Inescta

Como o próprio pessoal da Insecta diz, a palavra-chave deles é REAPROVEITAMENTO. Com um conceito bem interessante, eles transformam roupas usadas em calçados super descolados. Além disso, a Insecta tem outros valores que valem a pena serem citados: veganos, ecológicos, unissex, feitos no Brasil, igualdade de genêro e comércio justo. E não para por aí, eles conseguem tirar nota 10 no quesito beleza. Veja alguns modelos:

Relaxa, estamos prontos para o friozinho.

A post shared by Insecta Shoes (@insectashoes) on

Você pode conferir outros modelos, conhecer mais sobre a marca e comprar online no próprio site da Insecta.

787 Shirts

Consumos consciente é o principal valor que colocou a 787 Shirts nessa lista. Daniela e Gabriela criaram a marca para ir na contra-mão do consumo desenfreado pregado pelos grandes varejistas fast-fashion. Mas a nobreza da ideia deleas não para por aí. As peças trazem a tona o empoderamento das mulheres atravé sdas roupas e da moda. Com muita oringalidade e uma pitada de humor, frases fortes são corriqueiras nas estampas das 787. Por exemplo, veja a peça abaixo, com os dizeres “Porque eu não sou obrigada” (super legal, né?).

Também é possível comprar online na loja virtual da 787 Shirts!

SIM

“SIMPLE, BUT DIFFERENT” é como se apresenta a marca slow fashion SIM, da estilista Samanta Fernandes. Ela acredita que peças simples, atemporais, que podem ser usadas por anos é uma grande solução para o consumo desenfreado que assombra a moda há décadas. Isso e mais aquela outra coisinha que falamos tanto por aqui: menos produção em série, mais produção humana e de qualidade.

😎 Combo: Kimono floral + blusa laço branca. Aqui 👇 www.simstore.com.br #simplebutdifferent #simstoreoficial

A post shared by SIM STORE 🐿 (@simstore_oficial) on

Para comprar, é só clicar aqui e conhecer o site.

Samanta, adoramos conhecer sua marca e esperamos ajudar nessa sua luta de valorização do trabalho manual! 😉

Orgânica

Orgânica é uma marca difícil de não se apaixonar. Os tecidos reutilizam fibras descartadas na natureza (como bamboo, seda, algodão, linho e lã) e são tingidos artesanalmente. Tudo com matéria-prima renovável, não poluente e descarte consciente de materiais.

Tudo é feito com muito amor e carinho, dá pra ver pela delicadeza com que se apresentam no site. Clique aqui para conhecer, mas, se quiser fazer umas comprinhas, clique aqui para acessar a lojinha no Elo7.

Serena Lua

Serena Lua é uma marca super good vibes, para quem, além de ser sustentável, gosta de se relacionar com o mundo, a natureza e equilibrar o espírito. Os produtos são todos artesanais, vegan e ecofriendly!

Namastê ✌🏼️ Só R$24,90 🍃 #Namastê #Store #serenalua #nature

A post shared by Serena Lua Store 🌙 (@serenaluastore) on

As vendas/encomendas são feitas lá no Instagram mesmo, por direct, ou pelo WhatsApp que está na descrição.

Mais uma marca de uma leitora do blog, guerreira, que está na luta pra ganhar a vida fazendo o que acredita. Força <3

HEVP

HEVP é uma analogia à palavra HELP e já mostra bem o engajamento social da marca. Ela ainda está na busca de novos tecidos e processos produtivos ambientalmente sustentáveis, mas entra na lista porque se propõe diretamente a combater a fome e lutar pelo direito à educação.

Funciona assim: cada peça comprada no site significa, automaticamente, uma doação para crianças carentes. Esse processo é feito em parceria com ONGs, projetos ou pessoas que atuam em comunidades, ou seja, tudo organizado e com alto comprometimento.

Se quiser uma peça dessas no seu armário (e lembrar que ajudou uma criança toda vez que usar) é só clicar aqui e conhecer a loja virtual.

Manala 

A Manala aposta num processo de fabricação 100% artesanal para alimentar o mercado nacional. Fizeram questão de procurar o melhor e mais puro algodão, porque sabem que roupas de melhor qualidade duram mais (lembre-se: roupa barata, mas descartável, não é sustentável). Com todo o carinho, cortam, modelam, costuram e estampam lá na fábrica deles mesmo, num processo bem manual. E o resultado é lindo!

Se você curtiu, eles vendem on-line, é só clicar aqui.

E você, qual a sua pegada sustentável? Qual compromisso você mais valoriza na moda ecológica? Só compra roupas de produção artesanal, vegana ou 100% brasileira? É fã de mais alguma marca pra gente incluir aqui? Conta tudo aí embaixo!